Blog do Celino Neto

A Terceirização da Culpa: Terrorismo

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Ei, não consegue ler?

Mohamed Brahim está em um Mazda 3 alugado, após meses treinando e fabricando bombas caseiras conseguiu chegar ao cenário perfeito que planejava há quase meia década, enfim terá seu nome imortalizado entre os seguidores do “verdadeiro Deus” e vai para o paraíso se deleitar com as 72 virgens, está pronto para o seu sacrifício. Precisa chegar a Quinta Avenida, em Nova York, no horário de pico, pois queria levar ao inferno o maior número de pervertidos ocidentais possível! Mas existe uma reviravolta, seu parceiro Hassan Ayman manda uma mensagem para seu celular, “Abortar! Abortar! Não complete sua missão”. Mohamed já passava pela Washington Square, mas resolveu voltar ao encontro do amigo, gostaria de saber o problema. Teria sido descoberto? Seu ódio pelo ocidente teria que gerar uma marca, deveria voltar ao combinado e deixar centenas de vítimas, mas estava curioso, e ao mesmo tempo nervoso demais para questionar o que seu amigo e conselheiro fiel havia descoberto. Chega de volta a casa e Ayman mostra a notícia em seu notebook: “Emoji de arma será removido de teclado”. Mohamed ficou aliviado, enfim entendia o ocidente, não mais odiava os costumes e a liberdade daquele povo, olhou para o Ayman e deu um longo abraço, ambos não iriam mais causar qualquer tipo de prejuízo, enfim estavam integrados a população.


Quais as chances desta história que você acabou de ler acima acontecer? Quais as chances de grupinhos de adolescentes procurando bandeiras para se apoiar e ter a impressão de estar mudando o mundo resultarem num resultado como este? Quais a chances do “Politicamente Correto” conseguir bater de frente com o jihad? Quais as chances de uma simples hashtag com #PrayforParis, #PrayforBruxelas ou #PrayforOrlando servir de alguma coisa? Quais as chances de pedir que as armas em todo o país sejam proibidas ou sua venda limitada por conta de um atentado(justamente em uma zona livre de armas) seja a solução de algo? Quais as chances do problema for resolvido, se tentam de todas as formas ocultar que era um muçulmano seguidor do ISIS? Não tem como, é impossível frear qualquer tipo de investida de uma religião que em sua maioria dos costumes bate de frente com as liberdades do ocidente quando sequer se dá o ‘nome aos bois’. Ainda mais com uma geração politicamente correta que pensa que retweets e likes em mensagens de paz vão mudar alguma coisa.

Não existem barreiras para o politicamente correto, seja a barreira do bom senso ou do ridículo. Os tais idiotas-úteis não se limitam a militar em causas grandes como a venda de armas, mas também sobre os emoticons de armas, isso mesmo, o que você presenciou no relato fantasioso acima é verdade!

Vamos a notícia do… Capricho, isso mesmo(peço perdão aos leitores por uma fonte tão limitada, mas explico adiante o por quê da escolha):

Uma nova atualização do teclado de emojis começa a operar a partir do dia 21 de junho, de acordo com a organização Unicode Consortium, responsável pelo desenvolvimento de novas imagens para apimentar nossas conversas e posts em redes sociais.

Entretanto, a chegada de novos figurinhas não é o que vem atraindo a atenção dos usuários. Segundo Mark Davis, presidente da companhia, o emoji de arma será removido do sistema. A decisão foi tomada após os ataques em Orlando, que ocorreram em meados de junho, ambos desencadeados por pessoas armadas, o que nos leva a crer que este seja o motivo concreto da alteração.

Apesar de, no Brasil, a pistola ser geralmente usada em selfies “explosivas”, junto com o emoji de bomba, nos Estados Unidos ataques de pessoas armadas são bastante comuns. Além disso, com todas as tragédias mundiais que estão acontecendo, talvez a decisão seja uma das mais sensatas mesmo. Não estamos em tempo de brincar…

(Texto de Isabella Otto / Capricho)

Isso mesmo que você acabou de ler, o emoji de arma será removido. E pelo modo que o texto aborda esta situação percebemos a posição de um site voltado a adolescentes. A publicação em momento algum cita o Estado Islâmico ou que o atirador era Muçulmano, além de negar as origens do terrorista cita como “pessoa armada”, como se o posse de armas por si só fizesse um cidadão um terrorista em potencial.

Vou ignorar quando a autora fala que os ataques de pessoas armadas são bastante comuns nos Estados Unidos sendo que a taxa de homicídio deles é de 5,3 mortes por 100 mil habitantes(Os Estados Unidos é o país desenvolvido com maior taxa de arma por habitante, são 89 armas a cada 100 pessoas), sabe qual a taxa de homicídio no Brasil? 27,4 mortes por cada 100 mil habitantes, nossa taxa é cinco vezes maior que esse país onde “ataques de pessoas armadas são bastantes comuns”.

E ainda finaliza com “Além disso, com todas as tragédias mundiais que estão acontecendo, talvez a decisão seja uma das mais sensatas mesmo. Não estamos em tempo de brincar…”, realmente não estamos em tempo de brincar! Brincar achando que proibir um emoji por conta de um ato terrorista é uma “decisão sensata”.

Está muito claro que enquanto a culpa continuar a ser terceirizada o problema de terrorismo no ocidente não será resolvido.

160613orlando

Eu responsabilizo as armas. / Eu responsabilizo as facas.

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 0 Flares ×