Blog do Celino Neto

Rodrigo Janot e sua cruzada a favor da “ideologia de gênero”

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Na maioria das vezes por falta de informação e a típica memória curta, o brasileiro acaba considerando um nome obscuro como Rodrigo Janot uma espécie de “combatente da corrupção” ou “esperança do Brasil” (como na foto). Te faço uma pergunta, onde estava Janot no governo anterior? Sua ação era praticamente inexistente quando Dilma Rousseff estava no poder, se escondia quando a Operação Lava-Jato dava seus primeiros passos e mais precisava de uma figura com o peso que tem um procurador geral da república ao seu lado. Janot é um cidadão que ignora Lula ao mesmo tempo que considera Temer um “chefe de quadrilha”, e ao que parece a grande meta para seu fim de mandato é derrubar o presidente.

O Procurador Geral escolhe nomes que geralmente desagradam ao Partido dos Trabalhadores e vai até o fim contra eles nas investigações… Espero que seja apenas uma coincidência e muita malícia de minha parte, mas Rodrigo Janot passa a impressão de extremamente seletivo.

Mas não é disso que se trata o post! O fato é que ele além, curiosamente, de seguir a fundo com investigações apenas contra quem incomoda o Partido dos Trabalhadores, ele também segue a cartilha da extrema-esquerda e está perseguindo as prefeituras que não seguem a bizarra e imoral “ideologia de gênero”. Sim carx leitxr, este tipo de pauta é feitx por esta gentx retardadx que escreve com x no final para não “discriminar” nenhum desses “gêneros” alternativos que criam diariamente.

Vamos a notícia:

A Procuradoria-Geral da República (PGR) começou uma ofensiva contra leis municipais que proíbem o ensino de “ideologia de gênero” nas escolas mantidas pelas prefeituras. Até agora, já foram apresentadas sete ações contra as cidades do Novo Gama (GO), Cascavel (PR), Paranaguá (PR), Blumenau (SC), Palmas (TO), Tubarão (SC) e Ipatinga (MG). O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entende que tais leis têm fundo religioso e estimulam o sofrimento, violência, marginalização e evasão escolar de homossexuais.

Janot em momento “militante do PSOL”, já pode se candidatar a sua sonhada vaga no Senado pelo estado de Minas Gerais pelo partido da Luciana Genro. Continuando.

Segundo Janot, as sete leis violam os dispositivos constitucionais relativos ao direito à igualdade, à proibição de censura em atividades culturais, ao devido processo legal, à laicidade do Estado, à exclusividade da União de legislar sobre diretrizes e bases da educação, ao pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e ao direito à liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber.

Com exceção da primeira ação, protocolada em 23 de maio contra o município do Novo Gama, localizado no Entorno de Brasília, em todas as outras Janot também diz que as leis contrariam o objetivo constitucional de “construir uma sociedade livre, justa e solidária”. O procurador-geral da República diz ainda que as leis impõem “concepção moral de marcado fundo religioso”.

“Censura em atividades culturais”, como assim censura? Usar uma palavra forte não faz tua agenda digna caro Janot. A Alemanha “censura atividades culturais” que envolvam o nazismo… Assim o a Polônia “censura atividades culturais” que envolvam o comunismo. Logo a “censura em atividades culturais” não significa que o assunto em pauta seja digno de algum tipo de publicidade cultural. O que você iria achar se as escolas não censurassem a exibição de “atividades culturais” eróticas para crianças de 6 anos de idade? Falta de liberdade? Não, bom senso! (Aliás, não duvido que em alguns anos algo deste tipo esteja em pauta pela esquerda).

Depois Janot fala em “exclusividade da União de legislar sobre diretrizes e bases da educação”, ok, a mesma União que distribuiu material escolar com pedofilia e incesto para crianças de SEIS anos? Estes devem ser os “bastiões” da educação no país? Para que a doutrinação fique mais fácil para o lobby de extrema-esquerda no Ministério da Educação? Entendi. Rodrigo Janot defende uma educação cada vez mais longe de cada estado e município, nada mais conveniente a quem busca doutrinar que todo o material didático e orientação escolar seja feita com ” exclusividade da União”.

A parte mais engraçada, e que vem no fim que é: “(…)pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e ao direito à liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber”. Gostaria de saber onde existe este pluralismo de ideias? No ensino brasileiro que não é. Liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar pensamentos? Só se seguir a cartilha Paulo Freire de ensino, caso contrário é algo inexistente. Discurso bonito, para algo que é totalmente diferente na prática. Ou o Janot defende o Escola Sem Partido? Que visa justamente uma pluralidade de ideias e concepções, eu acho que não.

Esta publicação da Época continua com Janot fazendo um discurso digno de Marcelo Freixo… É preocupante que um país que já sofre de uma crise econômica sem precedentes, além de crise política, jornalistica, jurídica e moral, tenha um Procurador Geral da República que visa piorar ainda mais o esta situação calamitosa que vive a educação brasileira. Definitivamente, Janot passa longe de ser uma esperança do Brasil, não passa de mais um pesadelo.

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 0 Flares ×